O que é um dialeto?

São muitas as vezes que eu ouvi um uso incorreto da palavra dialeto, sobre tudo porque o falante médio não sabe distinguir de maneira adequada entre o que é uma língua e o que é um dialeto.

Para começar, há que entender que a língua é um sistema articulado de símbolos utilizado tanto na fala como na escrita que (em resumo) tem um objetivo comunicativo. O francês é uma língua, assim como o é também o português. Enquanto que um dialeto é a variante geográfica de uma língua. Por exemplo, o inglês é falado em várias partes do mundo, por questões políticas e geográficas, e que, portanto, não é o mesmo inglês que se fala nos Estados Unidos que o empregado no Reino Unido. Vale a pena aqui destacar que as línguas puras não existem, não há um português puro, nem um inglês perfeito, todas as línguas se manifestam por meio de dialetos de suas respectivas regiões e nenhum dialeto é melhor que o outro.

As diferenças entre os dialetos podem ser várias, seja na forma de pronúncia, a rapidez ao falar, o repertório léxico, a sintaxe de oração e inclusive na maneira de escrever as palavras. São muitas as variações na pronúncia de um espanhol argentino diante de um espanhol mexicano, especialmente no som do S. Assim como na Inglaterra e nos Estados Unidos são usadas palavras diferentes para se referir à mesma coisa, um bom exemplo disso é o de “flat” e “apartamento” em português, refere-se ao que conhecemos como departamento ou na escritura, o caso de “cor” e “colour”.

Ora, assim como há diferenças entre os países, também existem discrepâncias de acordo com a área do respectivo país. Não é o mesmo dialeto que falam no norte do México (cheio de anglicismos) e o utilizado no sul do país, em estados como Yucatán, onde a pronúncia das palavras é muito particular e no léxico abundam palavras de origem maia.

Em relação ao mau uso do termo dialeto que mencionei no início, este, muitas vezes, se deve ao fato de que as línguas indígenas são rotuladas como dialetos, como se por ser um dialeto fossem consideradas línguas menores ou pseudo-língua. Portanto, é uma forma, até certo ponto, depreciativa de chamar as línguas dos nativos. No entanto, a partir da perspectiva linguística, uma língua indígena é tão válida e completa como qualquer europeu, inclusive com dialetos próprios. Às vezes o erro se deve a um estudo inadequado das mesmas línguas, a uma deplorável questão de desprezo ou simplesmente a falta de conhecimento dos termos.

Em resumo, um dialeto é a variante de uma língua, de acordo com a sua área geográfica, portanto, não é o mesmo do português, de um português que o português de um brasileiro. Em muitas ocasiões, os dialetos não somente dão conta de que a forma de falar de um lugar determinado, mas também da maneira de pensar das pessoas que o habitam, sempre e quando o conceito de dialeto seja bem entendido e, portanto, muito bem usado.

Adicionar a favoritos link permanente.

Comentários fechados.